sábado, 31 de janeiro de 2009


Quando amamos alguém, e ali se encontra distante, esperamos e fantasiamos momentos, sonhos, cuidamos dos créditos das palavras ditas formando mútuo amor.
Dali depois esperamos e contamos as horas para o próximo encontro, mas, fantasiamos o que seria o ideal para ser completo e feliz para sempre naquele novo momento.
Quando amamos queremos estar juntos, nos dar e entregar o melhor de nós, sem importar nada, pois o amadurecimento faz a soma com o amor para um total infinito.
Quando amamos e por muitas vezes temos desencontros, você deixa seu coração guardado, amando a vida, e esperando o momento certo do reencontro, mas por mais que queira somente amar, a fantasia surge e idealizamos o maior reencontro, e dele não iria existir um outro, pois daquele amor que espera ele não iria mais embora, ficaria e moraria para sempre no seu coração.
Ai entra a paciência, que cuida da calma, que tira o acelerado dos ânimos aflorados e que quando o amor vem e volta te dá a esperança de que o próximo encontro será o reencontro esperado. E assim você segue, fantasiando, amando e se cuidando.
Neste momento surge a razão, os questionamentos do porque não ser amor completo, chegando a fantasia cultivando o ciúmes a desconfiança a cobrança, deixando o coração acompanhar de maneira errada a razão e tropeçamos nos sentimentos sem saber como agir, IR ou FICAR?
Quando questionamos isto encontramos o nosso amor na dúvida de amar de verdade, na incerteza, na insegurança de acompanhar os seus sentimentos e objetivos, deixando a razão falar e não mais o coração. Mas claro que você esqueceu de acompanhar, e ele passou a ver a vida e o amor que sentia de uma maneira e você de outra.
Ai vemos que um só não completa o dois, como as palavras sem consoantes e vogais.
Neste momento tentamos entender os motivos, de onde tudo se perdeu e decidimos ir e cada um se cuidar, mas em nenhum momento vimos o mais comum. O amor acabou ,por isso não podemos continuar? Mas quando o amor existe? Pelo menos os dois lados dizem existir? Como não estar juntos, se o amor constroi e cuida de feridas passadas, purifica, ilumina, perdoa, compreender e fortifica?
Parece então que mesmo amando queremos a liberdade de ainda encontrar alguém que ainda ame mais? Porque dali você se permite conhecer outros amores, e diz que seu amor está naquele dono, mas parece que na verdade você guarda até encontrar outro amor e esquece que o outro lado vê e machuca.
Não digo do transparente que falamos um ao outro, dos deslizes explicados. Mas sim do hoje.
Diz mesmo distante me amar, e seus olhos, seu corpo, seu sorriso, suas palavras não estão somente para mim mas também para outro alguém? Isso chamaria carne? Como se chama isso? Amo você mas admiro e me interesso por outra pessoa também?
Ir para a beira da praia durante a madrugada levando consigo o amor que sente mas acompanhado de outro alguém?
Desculpa, amor pra mim é único, nesta hora os homens pensam bem diferentes das mulheres. A mulher se apaixona se entrega e não existe ali outro alguém. Ela cuida do sentimento verdadeiro, da purificação do amor. Enquanto os homens, ainda não compreendi como se dá este amor, chamaria isso as vezes de iludir, de manter o que se quer mas não por inteiro, quando penso assim quero rasgar meu coração, pois não acredito que seria assim um amor, como uma mentira, sei lá.
Então deixo de acreditar e tentar entender e fico comigo, tentando desprender o amor que construi e que demorei para deixar entrar, pois tinha medo de depois ser dor e não amor.
Sabe porque vira dor? Porque deixei a fantasia dominar meus sentimentos, sonhei alto demais e tudo que não aconteceu de bonito, se foi e isso vira dor. Se for pensar no que vivi, só estarei bem e calma, mas me iludi nas fantasias e alimentei um sentimento que ainda não se foi de mim, e ver quem ama em outro rumo, só faz suas fantasias demolirem e a dor aumentar sem ter a esperança de voltar. E mais prático seria entender, que quando amamos não deixamos o tempo passar e nenhum outro alguém habitar.
Entendo que estou aqui, esperando um sinal bom, mas sem me mover e esperando vir de você o que diz ser amor.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009


Foi tão forte, que me tranquei nesse quarto de hotel, durante todo o dia, sem ouvir nenhum barulho. Fiquei sentada no chão e em volta as paredes brancas eram as companheiras ideais para os meus pensamentos que pulavam de mim.
Me entreguei para a dor, sem saber por onde começar, mas seria ali, que deixaria todo e qualquer sentimento, pois ao abrir a porta seria outra pessoa, ou pelo menos tentaria ser.
Fiquei encolhida, tentando sumir, tirar aquela dor que não queria sentir e sabia que mesmo saindo ela continuaria a perseguir por um tempo. AH o tempo!!! Como não passa!!! Como me deixa aqui para digerir o que doi? Me machuca!
Resolvi partir eu sei, mas machucou saber como entende? Aquela pureza que admirava não existia e me dava mais dor em pensar no que ouvi e como se fez.
Quero sumir até passar. Quero correr para o nada. Quero ser transparente para qualquer olhar que se dirigir a mim daqui pra frente. Tem como?
Quero ver o chão novamente, recomeçar sem substituir como é o costume do mundo.
Sei que fantasiei a casa na beira da praia, com música doce e flores no jardim. Por isso doi! Se não estivesse alimentado, poderia passar hoje somente como "algo bom". Mas não me sinto assim.
O "senão" só faz arrepender do que fiz, e isso não devo fazer.
O dia bom de hoje? Foi ver que tem problemas e dores maiores que a minha. Mas hoje era a minha dor, e como uma boa imatura nesse assunto me entreguei ao extremo, me deixando consumir a fundo para me encontrar e saber onde foi que eu me perdi no caminho e onde foi que deixei as pedrinhas para conseguir voltar e achar a porta que deixei aberta a alguns passos antes daqui.
Dói mais, em cada vulto que vem seu rosto, pois acompanha um você que não observava, que não imaginava existir. Está difícil de acreditar ainda, pois fantasiar é uma coisa ter certeza do que aconteceu é outra. Os olhos vêem e o coração sente como todos falam, é mais difícil.
Queria que aquelas paredes fizessem movimentos mostrassem um sinal para me direcionar no caminho, no que não conseguia ver.
Agora vim aqui tentar buscar alguma palavra para acalmar o coração, a pele, a alma e tudo que me faça sair daqui desse chão, desse lugar e me faça ver o mundo com outros olhos, pelo menos acreditando em mim e no que fui e no que me dei e amei.
Eu queria entender, juro que queria, mas não consigo, ainda mais quando palavras vem no vento me mostrando o contrário de você. Não é questão de acreditar no que ouvi só somei com o que sentia, com suas ultimas palavras quando nossos olhos se cruzaram e quando ouvi você dizer que você se permitiu um outro alguém.

...Preciso ir para reconstruir!...

O tempo vai passando
e muitas coisas foram clareando nos meus olhos
Vou vendo o que não queria ver
Começo a entender e encaixar
o que você deixou solto
Não venda sonhos!
Não mostre ser para mim o que não é
Me fez acreditar em outros motivos
enquanto não havia pureza
Por isso me escondeu
Se escondeu
E agora entendo os escritos,
os pensamentos,
as lembranças
Chega...
Machuquei o meu amor
Derrubei lágrimas acreditando em um outro motivo
E sabe que me machucar não irei
Acreditei em você
porque pra mim eram fantasias
Agora não chegaram como fantasias
mas sim como fatos
Que machucam...
E disso não vou me alimentar
Encerro minhas lamentações
minhas palavras,
meus momentos
e faço dos meus pensamentos
um casulo
Sem dia para voltar.
.
.
.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009


Vou me recolher
ir e ver o caminho que ainda não achei,
mas irei sem dizer palavras e suspiros de amor
que tem dor, que se cala depois e se perde
e mente que passou
e deixou sem nada sentir
e ir na esperança de você acordar
para voar e me buscar com seu sorriso
ou um aviso de que ainda estou ai no seu coração
com ação sem deixar no ar
Mas preciso parar
de alimentar o que não vem
e não tem em luz que precisava ver para ficar
e brilhar com o amor que te dei
que guardei no meu peito no jardim
em mim de forma completa, simples e fiel
que no véu você viu e sentiu
mas saiu, explicou e eu não compreendi
só senti que agora devo partir
para ir e entender de uma vez
que se fez e não mais virá.

Sou eu um palhaço
vivendo o improviso
doando um abraço
e um sorriso


Sou eu transparente
de veste colorida
que seu coração sente
diferente dos palhaços da vida


Sou eu como vê
jogando palavras no verso
como agora lê


Sou eu assim onde for
deixando me ver
e mascarando a dor

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009


Até quando sentirei o coração
apertado, com a vontade louca
feito de saudade me deixando sem ação

Até quando minhas horas do dia
vão me trazer lembranças suas
me deixando consumir no que seria

Até quando serei feita de lembrança
para os seus pensamentos,
não te fazendo viver uma criança

Até quando vou despir aqui palavras
procurando maneiras e caminhos
para controlar minhas letras faladas

Até quando vou sentir
meu sangue quente nas veias
sem conseguir de você me despir

Me calo comigo
tentando adormecer
mas não consigo

Aqui dentro
encontro o medo
guardado, escondido

No escuro que estou
procuro a saída
pelos meus sentidos

Procuro em mim
palavras pequenas
em um verso escondido

Logo pego no sono
com meus pensamentos
e no meu sonho vou indo

terça-feira, 27 de janeiro de 2009


Resolvi caminhar pela chuva,
contando gotas caídas no chão
Queria mudar meus pensamentos
e me tornar invisível na multidão
Caminhei por entre o silêncio das ruas,
com a chuva a me acompanhar
Em cada passo que dava,
observava,
meu jeito de andar
Seria eu alguém distante desse mundo?
Seria eu incapaz de fazer entender o que no meu caminho cruzou?
Ou então seria ainda pequena para não conseguir a vida compor?
O tempo ali era passageiro,
a chuva tinha hora de acabar
E eu sem pressa deixava as gotas,
invadirem meu olhar
Andava olhando adiante,
buscando meu anjo no céu
Queria que ele a mim viesse
e me colocasse um véu
Meus cabelos estavam ensopados
e meus poros sentiam a água penetrar
Como uma planta regada,
em meu corpo alimentar
Que desses pensamentos,
nos caminhos molhados que hoje passei
Me traga a nutrição necessária
para o que ainda serei

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Foi saudade?
Não sei...
Mas fiquei aqui a pensar
de onde vem
e onde está
Será que de lá,
seguindo os seus passos?
Ou você que está,
a procura dos meus?

Ao compor aquela música,
veio você ser a inspiração,
e eu dedicando de forma única
palavrinhas pequenas em uma linda canção

Dela vem bons sentimentos
e duráveis serão ao coração
vivendo doces encantos
de carinho, amor e paixão

Doce seja os momentos
e que um sorriso venha nascer
assim você envia no vento
a mensagem para o mundo viver

Que seu brilho seja de longe
um eterno e iluminado esplendor
e verás o que em você se esconde
que ainda não conseguiu compor

Assim faço a mais linda nota,
na escala musical dessa canção
que seus ouvidos escutem dela
o amor que vem do meu coração

Que cada nota
deixada no pentagrama da vida
que me retorna
como refrão e a rima

domingo, 25 de janeiro de 2009


Ir além do que se é capaz
Em ser, no brilho que já existe
Sem ver que torna paz
O que em si resiste

Talvez a lente esteja suja
De poeira, que nem se percebeu
Mas a calma será nula
Quando ver que ali já morreu

Se olhar agora não verá
O que vejo, deixa que a poeira passe
E te mostre depois o que será

Se transforma os segundos o que já falei,
Assim é passado as palavras acima
E que você crie o que ainda não mostrei
Imagem: Raquel Oliveira



Nada que cerca meus pensamentos
Ajudam compreender e acalmar
Se entende como abismo dos momentos
As palavras ditas ao vento, que não conseguiu calar

Seria eu pequena e imatura para entender
Do futuro, por não ver e pensar como sua razão
E me deixa com um grito sem compreender
Suas melodias, buscando um cantinho para guardar a emoção

Fiquei com suas palavras na mão para peneirar,
Mesmo que seu pedido naquele momento
Fosse então para perdoar
.
Dali só ouvi de você verdades duras
Que me deixaram a dúvida
Se eram do início ao fim puras

sábado, 24 de janeiro de 2009

Não saberia eu como ir
Mesmo tentando sair
E mil vezes me vendo ficar
Como deixar e partir
Se meu coração vem e me diz
Que o amor não vai se acabar
Já com ele falei
Respirei novamente e tentei
Para fazer entender e parar
E lá vem ele dizer
Que o tempo escolhe o nascer
E que o amor não escolhe o lugar

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009


Eu razão, sou capaz da maior paciência
Já vista, por buscar entender o Senhor coração,
Que insiste em ficar na transparência
Esquecendo que ali com ele fico no amor sem ação

Seria ele fogo que faz esquecer
Do raciocínio, completo mundo que o cerca
De fantasias, deixando a paixão nascer
Vivendo sem saber a hora certa

Depois quer se esquecer
Pedindo para vir e dizer,
Como tudo começou a crescer

E relato que a ele clamei
O que por vezes mostrei,
Que sentimentos eu sendo a razão nunca acertei

terça-feira, 20 de janeiro de 2009


La dentro me faz sentir dor as palavras colocadas no vento,
que penetrou aos ouvidos e rasgou meu coração
sentindo o sangue sair pelos meus olhos
e com toda minha força tentando segurar
para que ninguém percebesse a dor que se fazia ali
Queria desaparecer como arrebatamento,
encontrar palavras certas da forma certa
para você acreditar em mim e no que sinto
Mas me calei ...
Fiquei horas parada como um susto
sem movimentar nenhum músculo em mim
Somente as lágrimas no meu rosto
davam o movimento de estar viva
Nem pensamentos se faziam,
já tinham ido para longe e me esquecido ali
Tentei voltar e continuar sem pensar no que ouvi,
mas parecia soar como uma música
como aquela que você registra a melodia
e fica a cantarolar sem perceber
Doeu ...
A noite se fez e eu tentei organizar
como se estivesse com um quebra cabeça
a degustar as palavras ditas,
os sentimentos vistos,
as novas palavras em forma de transparência
e o que esperava e queria pra mim
Então não adormeci
me deixei um zumbi na noite
da indigestão do mal dito.
do firmado que não esperava
Agora?
Perdi peças desse jogo
que na verdade estão com você
pois existem dois lados
onde fazemos nos perder de viver
sem se dar uma chance de começar juntos
o que em você é nublado
e o que em mim também não se faz entender

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009




Não se sabe separar o certo do incerto
De um dia ,quem sabe ou talvez
do bobo e do esperto
Do sempre ou uma única vez

Quem sabe não seria
Da noite, ou do dia
A tristeza e a alegria
Viverem em harmonia

Um lado diz, para ir distante
Já o outro pede para ficar
neste mundo, sem fim e errante
.
Me guardo ou me liberto
de mim, vivo e espero
o que será o certo

sábado, 17 de janeiro de 2009

Presente!


Dois presentinhos de aniversário para essa mulher linda

Que nos presenteia com palavras sinceras

E de todo, ela, se consumindo no amor pela vida

e pela beleza que vê com seus olhos mágicos,

nas coisas e pessoas do mundo. Amo vc!



Uma forma de oito..





É tanto amor, que dentro de ti
Reside, que amaria a qualquer ser
Que sua natureza se dispusesse
A admirar os inventos que acordam sua sensibilidade
Cantar, escrever, pintar, arte que pudesse
Desembocar sua luz de usina que eu vi
E anjos da guarda escolhessem esse alguém por merecer
Homem raro, de beleza pura e qualquer idade


Eis que fui eu, alvo da escolha santa
Do seu alado, conversa com minha protetora
Seus presentes, que estejam vingados
Seus intentos de bem pra nós, e vejamos como sorte
A tudo que tenha sido, das lágrimas, aos pecados
Para descobrirmos nosso perdão, por essa vida manca
A que ninguém passa ileso, e encara como vindoura
A lição enigmática, esteja forte


Que nada foi acaso, e eu daria meu, um ano
Por esse pensamento revelado, já sentindo
Que fica em nós um jardim com luar estrelado
Cicatriz como tatuagem, a se lembrar como pode ser o amor
Se um dia acharmos que queríamos demasiado
Lembremos do que havia no olhar se olhando
As vestes do mundo em nós se esvaindo
E sermos crianças, como a gente sonhou






E um soneto..



Menina bela, que me encantou os olhos
Desde que te vi cerceando
Estrelas cadentes, corais e abrolhos
Que moravam dentro de ti mesma, iluminando


Menina linda, eu queria te dar
Um eterno espelho encantado
Que você soubesse, toda a beleza a encontrar
É nascida do seu olhar, sensibilidade, amor e tato


Feito o contorno dos teus movimentos
que são como flores aladas, borboletas
Alçando vôo no azul dos seus lindos pensamentos
.
.
E um dia, quando aprendesse
A se ver, eu sei que se amaria
Como ninguém mais seria capaz, nem merecesse







...que sua luz brilhe sempre e em todo lugar!

Você sempre menino, bonito
No estilo que veste
e com olhar negro,
que para mim vieste

Sem fronteiras, para pensar
sou o desprender no caminhar
seguindo o seu perfume, no ar
que em mim veio morar

O tempo passa
Com beleza, pra se olhar
A tudo solto e leve, nasça
Onde estiver, para admirar

Seria assim, com perfume
Que em ti mora
E em mim se resume
O resto do que me consome agora

No olhar pode admirar, o rosto sofrido
Do tempo, que com detalhes verá
Dos olhos rio antigo

As palavras atingem o coração e a razão

Então escreva pequenas ou grandes frases

no pequeno papel de pão

ou na escritura do seu coração
Imagem: Raquel Oliveira



Prendo a imagem

na tela

no papel

na mente

Faço arte com a lembrança

com o belo

que posso viver.

Eu NãO pReCiSo EnTeNdeR

o quE aqUi dentro nEm SaBeRiA eXpLiCar

ComO o CoNjuNto Do mEu corpO

a tuDo sE mOvImEnTar e fUnCiOnAr

no mEsMo sEgUnDo

jUnTo aO mEu rEsPiRaR

Os SEnTiMeNtoS

se TorNeM o Véu dO mEu cOrPo

A mInHa Luz o mEu CeNtRo

prA iluMinar meu caminhO

HoJe Sei Do AmOr qUe sInTo

HOje sEi qUe Não sErvIrIa oUtRo alGuéM

pOr Não sEnTir dEsPrEnDer

pOr eStAr nA vIrGuLa

e NãO NO poNto fInAl

paRa umA nOva PartIdA

Não TrArEi o PaSSaDo paRa o PrEsEnTe

TraReI oS mOmEntOs coMo lEmBrAnçAs

não pARa rEsPiRar e DeGuStAr nOvAmEnTe

sOMenTe pAra tEr gUaRdAdO

cOMo hIStóRIa bOnITa

dE uM fInAl fElIz.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Aprendendo com você


Suas palavras me chamam
a criar outras palavras
me alimentam o bom
e nunca o mal
Não deixe de soltar suas letras unidas
no papel branco,
no jardim da suas flores,
no digitar do fio da tecnologia,
no vento,
no que te faz bem.
Faço uma aula de aprender sempre
de conhecer palavras
e maneiras de dar corpo a elas
com perfeição
partindo e me inspirando em você
Não as deixe
como já me pediu um dia
como não deixo as minhas
e não quero que as deixem também
Volte e me mostre
o que de puro e lindo
aprendo todo dia com você

Me desprendo do pensar,
compreender,
e degustar
o que não entendo
o que está com véu
ou omitido
sem querer ser desvendado
mas só querer bem.
Sendo assim também não busco
me deixando ir na onda mais calma
ou que seja a mais forte delas
nessa imensidão do mar de pensamentos
Seria assim um vagalume
onde não me veria de perto
pois no alto estaria
somente como um facho de luz
sem saber identificar o que é
De lá serei eu comigo
sem buscar pensamentos
sem colocar a minha luz para iluminar
e desvendar e criar o que não quero
do omitido, escondido
ou outra palavra qualquer
A minha luz será dividida
em amor bom dos minutos do meu respirar
em alegria do sorriso do mais bobo pensar
Na fantasia da história mais linda pra se fazer compreender

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Deixar de ver o estranho que machuca
que provoca ciúmes
que entra pelo canal errado das veias
e pulsa o coração de maneira contrária
Faz fantasias mesquinhas
que a razão parece ser boba
e elas insistem em ficar,
em querer penetrar os poros
e sentir insônia
Em questão se segundos
se vão as palavras doces
e em minutos se tornam amargar
ao ver o que não queremos
Ali mata
e tudo corre por dentro
quando os olhos vêem
Assim,
se passar a sentir
o que não seria real
mas vem a existir
Se torna tudo inquieto
em querer se esconder para não ver
mas ao mesmo tempo é procurado
sem saber explicar de onde vem.

Leio os três pontos da frase
e compreendo as entrelinhas
das lindas palavras
Eu sei ler
mas hoje não leio
somente sinto
nos espaços do papel branco,
no contorno da grafia,
no corpo das palavras
na alma que ali existe.
Admiro ainda mais
as letras
aquelas que são mudas
que as vezes não dizem nada
mas você entende tudo
Me atento
e leio os rabiscos
os pássaros
as borboletas
as flores
tornando em seguida
minhas palavras aqui.

O amor verdadeiro provém do amor divino, da misericórdia búdica, e está no ãmago do ser humano desde o princípio. Para manifestá-lo, é imprescindivel eliminar o apego. Apegar-se é ficar preso a algo ou alguém, o que implica perda da liberdade mental, e impede a Manifestação do amor verdadeiro e da sabedoria inerentes à essencia do ser humano.

Do livro Viver com Alegria
Imagem: Raquel Oliveira

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009


Tive uma infância bonita e feliz. E acredito que como toda criança, aprontei muita "arte".
Hoje estava relembrando de algumas dessas aventuras.
Meu pai dizia que eu era um "aculumo de crianças", porque não tinha como calcular a energia e as encrencas que eu me envolvia.
Sempre fui muito apaixonada por bichos, mas não queria um cachorro ou um gato. Sempre procurava os bichos mais diferentes e misteriosos possíveis como tartaruga, coelho, pintinho (que depois virava um galo enorme), papagaio e acompanhados sempre de um cachorro. Um único animal não era suficiente.
Na verdade eram os meus brinquedos favoritos e até hoje não sei como eles me aguentavam, eu era terrível e pentelhava eles durante todo o dia, sem dar paz. Esses iram para o céu.
Vivia sempre na expectativa de encontrar um novo animal diferente , mantendo sempre meus olhos atentos para as oportunidades.
Era tão atenta e esperta que enrolava meu pai e minha mãe nas conversas mais furadas e não sei como eles caiam nas minhas tramoias. E sem perceber já estava lá, dentro de casa, um novo bichinho de estimação.
Vou contar a história de um deles, uma das primeiras conquistas. Seu nome era Paco e o animal um coelho, mas não considerava um coelho.
Estava no primário quando a minha professora perguntou para todos os alunos:
- Meus queridos alunos, quem gostaria de ganhar um coelho?
E claro que na hora levantei a mão. Ela em seguida falou que uma amiga que tinha os filhotes e que iria dar um para ela sortear entre os alunos que falassem com os pais. Após a autorização dos pais os alunos deveriam levar no dia do sorteio uma caixa de sapatos onde seria o meio de transporte da escola para o seu novo lar.
Claro que eu nem perguntei para os meus pais, mas transferi o recado com algumas modificações:
- Pai a professora vai fazer um sorteio de um coelho amanhã com todos, mas não se preocupe que não é de verdade e junto ela pede pra levar uma caixa de sapato vazia e preciso de uma.
Meu pai na maior boa vontade arrumou a caixa enquanto minha mãe resmungava dizendo que eu estava aprontando algo.
No outro dia cheguei na escola com a caixa de sapato e aproveitei no caminho e recolhi alguns matinhos para meu novo animal de estimação. A certeza era tanta, que já queria escolher o nome, se era macho ou fêmea, como ia ser sua casinha pra dormir e tudo mais.
Ao chegar na sala de aula pra minha surpresa e satisfação, nenhum amiguinho tinha levado a caixa, ou melhor, nenhum pai queria um coelho em casa.
Eu já estava sorridente, feliz, ansiosa. Sem precisar de sorteio fiquei com o coelho na mesma hora.
Lembro como se estivesse agora dentro do onibus escolar, com a caixa de sapatos na mãos e alguns furos do lado na caixa e sentindo o coelho de lá pra cá.
Quando desci do onibus minha mãe veio até o portão como todos os dias para me buscar. Quando me viu segurando a caixa primeiro e esquecendo todo o restante das minhas coisas, a sua primeira reação foi colocar a mão na cabeça e dizer:
- Meu Deus, mas essa não.
Ela não podia dizer um "não quero", e nem devolver para a professora, já era tarde demais. Eu estava com um sorriso de ponta a ponta, com os olhos cheios de lágrimas de tanta felicidade, mas claro que dramatizando um pouco para que ela nem pensasse em falar com a professora ou dar eu lindo coelho embora.
Queria que o coelho dormisse comigo, e naquela noite havia perdido totalmente o sono. Coitadinho do coelho, daquele dia em diante não dava paz pra sua vida e o batizei como PACO.
O engraçado que o Paco era diferente de qualquer coelho e era considerado um guardião. Mas como assim devem se perguntar.
Este coelho deixava qualquer pessoa entrar em casa, mas não deixava ninguém sair. Quando via que a pessoa ia embora, ficava rodeando entre os pés e as vezes dava coice, fazendo a pessoa se assustar . Era realmente bravo e claro, só obedecia o meu chamado.
Não sou louca, mas era isso que acontecia, ninguém tocava no coelho a não ser eu, até mesmo para passar remédio nas suas lindas e longas orelhas, ele gritava e corria por todos os cantos, mas comigo mantinha a calma.
Ele viveu comigo durante anos, até minha mãe não aguentar mais o Paco e suas bravesas, e resolveu me convence que ele precisava de uma namorada e que já havia até encontrado uma.
Existia um vizinho que tinha duas lindas fêmeas como estimação, mas elas viviam presas em uma gaiola no seu jardim, pois lá existia um cachorro que não era como o meu calmo e tranquilo, ele era bravo e formiga, se os coelhos ou qualquer outro animal de pequeno porte aparecesse lá, ele devorava.
Bem fui conhecer antes de qualquer coisa, suas opções de namoradas e gostei de uma delas, de pele branca e orelhas cor de rosa, era o seu par perfeito combinando com o caramelo da sua pele e com suas orelhas douradas.
Eu claro que determinei as regras, ele ficaria lá até namorar e ter filhotes pra ganhar mais um coelho, mas mal sabia que ele não iria mais voltar, minha mãe estava dando o meu pobre coelho e ao mesmo tempo o entregando para a morte.
Ele não durou um mês na sua nova casa. Como vivia livre entre o quintal, um belo dia escapou da gaiola e o cachorro o devorou sem dó nem piedade.
Fiquei triste e com muita raiva daquele cachorro e do meu vizinho, que não queria ver nem pintado de ouro.
Como toda criança birrenta e teimosa comecei a minha nova busca e assim vieram mais aventuras e diversão garantida.
Mas outra hora volto a contar da minha infância divertida com meus lindos animais.

A palavra possui força misteriosa. Mentalizando sempre "Eu consigo", você adquire a convicção de conseguir, e isso lhe possibilita alcançar realmente o seu objetivo. O ser humano nem sempre consegue realizar tudo o que pretende, mas infalivelmente realiza aquilo que tem a convicção de ser capaz de fazer.


Do livro A cartilha da Vida
Imagem: Raquel Oliveira

terça-feira, 13 de janeiro de 2009


Ali existia desde o clarear do dia ao anoitecer com os pássaros se recolhendo para dormir.
Os meus passos foram leves ao levantar, ao cumprimentar o dia dei um sorriso ao sol. Seria um dia como outro qualquer, como toda manhã, como fazer um café.
O dia correu, os minutos atropelaram e me coloquei a meditar ao anoitecer enquanto a chuva batia na janela do meu quarto.
Assim relembrei...
Hoje ao terminar uma reunião uma das meninas que me ouvia na palestra veio a mim e disse ao me dar uma beijo:
- Obrigada por estar aqui!
Em seguida me deu outro beijo e junto falou:
- Trago este beijo de uma outra pessoa que estava distante de você, mas nunca esqueceu do que fez por ele. Hoje é meu marido e sou grata por você ter ajudado a crescer como homem e profissional. Ele aprendeu a lidar com o mundo e sempre lembrava dos conselhos que deu para seguir sem medo.
Fiquei ali parada por minutos, sem saber o que ali ouvia. Tudo estranho pois não lembrava de ninguém distante que havia ajudado um dia.
Foi então que ela falou seu nome e na hora me recordei. Era um menino que trabalhava comigo e queria "sair da bolha", mas não sabia como ir.
Sempre mostrava a ele a vida por um outro lado e com conselhos, ensinava o melhor caminho pra seguir. Aprendeu a escrever melhor, a se comunicar com as pessoas, a parar de brigar por tudo e com todos, enfim foi uma pessoa que vi evoluir. Puxava a orelha quando era necessário (e ele ficava bravo quando isso acontecia) e dava parabéns pelas boas ações na hora certa.
Um dia chegou e me disse:
- Quero mudar tudo, ir para outro Estado e reencontrar minha família e recomeçar com o conhecimento e qualidades que desenvolvi aqui.
Ele esperava ouvir de mim um não, mas se surpreendeu quando disse:
- Que delícia, vai mesmo que estarei torcendo por você.
Em seguida seu rosto mudou totalmente, perdido sem saber o que me responder. Continuei meu trabalho e depois de minutos retomou a conversa e disse:
- Você não tem medo do novo? Medo de largar tudo e ir para um outro lugar? Porque esperava ouvir você me pedindo pra pensar direito, ver o que construi aqui e que ia precisar de mim...
Não me esqueço desse dia, eu olhava pra ele pensativa tentando entender o que fazia ele ter aquela atitude e arriscar assim como se fosse me desafiar em uma resposta, então respirei e disse:
- Não tenho medo do novo, acredito que sem emprego ninguém fica, qualquer pessoa tem a capacidade de criar e ser o que quiser e quando quiser, sem importar a idade, raça, religião. Pra mim todo dia é algo novo. Tudo vem como um desafio e só tenho algo a dizer, se você plantou a semente dentro do seu coração vai e não pensa não.
Ali acertamos que ele iria, e o ajudei com sua demissão e recomendações. Por um tempo tinha contato mas aos pontos nos desprendemos.
Voltei eu e meus pensamentos naquela hora depois do beijo e com um sorriso no rosto a abracei aquela linda menina e disse:
- Mande esse abraço a ele e pelo que entendi vocês voltaram pra ficar. As portas estão abertas para os dois e conte comigo para o que precisar.
Seus olhos encheram de lágrimas e ela disse com carinho:
- Sabia que iria escutar isso de você. Seu coração é grande e vejo que sempre cabe mais um. Pronta pra ajudar e cuidar na hora que for preciso. Obrigada
Em seguida com o fluxo de trabalho me desprendi logo daquele momento e voltei a rotina que se fazia ali e segui minha prova constante do dia "enfrentar os leões".
Agora com a chuva mais tranquila lá fora na janela pensei comigo: Enquanto ando em ovos, sempre atenta com os " jacarés" que estão prontos a me devorar se cair, sempre estarei trilhando o meu caminho e fazendo o bem sem perceber neste percurso. E pode vir o que for de dificuldade no meu dia, nada será maior do que um momento tão lindo de gratidão.
Imagem: Raquel Oliveira
Escreva algo ruim
assim como uma carta suicida
ou mal entendida
torcida
Escreva, escreva, escreva
perdida
em um buraco imenso
de onde não consegue ver luz pra sair
Do ruim será o medo
de não saber o depois do depois
de ser esquecida
do mundo ficar de cabeça pra baixo
Medo de ver o disfarce da face
do acreditar e decepcionar com a vida
Medo de virar doença
da febre que mata
da ferida que não se fecha
do beco que não se vê saída
Escreva algo bom
assim como um verso fino
e um rio esparramado
leve
como meditar
Dessa escrita
tenho palavras apaixonadas
com juras de amor eterno
e saudade no olhar.
"Meu amor, meu amor, meu amor"
por ti sinto saudade
e quero logo te ver
Cada minuto já virou eternidade
e o coração contando as horas pra te ver
A paixão é a felicidade
e um sonhar de estrelas no céu
Quero passear de mãos dadas no parque
e andar em um carrossel
A paixão é dar-se e consumir-se
ir até o onde se desdobra pra continuar
Viver apaixonada
é algo bom de sentir e sonhar
Venha o dia
ou anoiteça
minhas palavras iram aparecer
Talvez em formato de carta anônima
ou quem sabe datilografada
sem a minha grafia
ou melhor de uma simples menina
que vive a aprender
As palavras podem vir
em voz baixa
sussurrada
com amor ou dor
Ou então com os gritos
como um discursos
e mais bonito seria
em serenata de amor
Pode ser que em meia palavra me leia
como pode ser poucos ouvidos pra entender
o que digo em palavras soltas e simples
que a vida me ensinou pra viver

Seria eu uma criança
a desenhar um coração no papel branco
com lápis de cor vermelho sangue
Ali não teria a dimensão do que é o amor
Saberia que é algo bom
sem saber o sabor
sem sentir o amor
Mesmo pequena
veria nos olhos
de pessoas de outro tamanho
algo diferente de mim
É um amor lido e entendido
que querendo ou não esperam um fim
Para a imatura criança
o seu desenho é o amor
em mil formas
sem saber a seu real valor
Imagem: Fábio Rocha

Quem deseja criar algo bom precisa gostar do que faz. Toda obra se expande bem quando é feita por pessoas que gostam do seu trabalho e o executam com alegria. Os antigos dizem: “Gostar do que faz é a chave do êxito”. De fato, gostar do que faz é a melhor forma de alguém revelar seu talento.
Do livro Sozoteki Jinsei no Tameni
Imagem: Raquel Oliveira